Novidades
Camarim: Como divulgar música no Vevo: Ainda vale a pena?

Camarim: Como divulgar música no Vevo: Ainda vale a pena?

Por Dhiego Bicudo – 03 de outubro de 2018 às 11:02 –

E aí cantor! Firme?

Essa semana eu recebi um e-mail me perguntando como funciona o Vevo para cantores. Então, eu vou dar uma explicação rápida neste conteúdo. Para entender bem, vou começar do começo, rs.

Quem está por trás do VEVO?

VEVO é um site de vídeos musicais de entretenimento. E é importante entender o tamanho e fama que ele carrega, pois ele é uma plataforma e faz parte de uma união de empresas que são potências mundiais dentro da música e entretenimento. É comandado pela Universal Music, Sony Music, Warner Music e pela Abu Dhabi Media.

Então, são quatro empresas superpoderosas dentro do ambiente artístico de entretenimento musical. Elas uniram suas forças, para que esses conteúdos pudessem ser explorados comercialmente e lançados. Uma curiosidade, é que o VEVO foi lançado no Brasil no ano de 2012 e na oportunidade, foi o sétimo país do mundo a receber o serviço cuja língua nativa, não é o inglês. Enfim, o VEVO tem mercado e tem potência! Mas nem tudo são flores…

Vale a pena migrar para a VEVO?

Aqui dentro da agência ICOMP, nós tivemos algumas experiências importantes, porém sofridas dentro do VEVO. Estar no VEVO é agregador para o artista porque é uma conexão, principalmente para o músico independente chegar nas gravadoras e distribuidoras (Universal Music, Sony Music, Warner Music e pela Abu Dhabi Media).

Se o artista passa a integrar direto uma dessas gravadoras, ele precisará estar no VEVO. Caso o artista assine o selo com a Universal Music, a condição básica desse acordo, é que o canal passe a ser VEVO.

Aqui na agência ICOMP, nós tivemos algumas experiências de transição e destaco as duplas, Bruno e BarrettoLéo e Raphael e Júlia e Rafaela. São artistas que nós gerenciamos, em um momento, mas ainda, fazemos parte do projeto em si por desenvolver o site oficial de todos eles. Nós acompanhamos de perto esse trâmite de mudança para a VEVO, então, uma das condições da VEVO é que artista que mesmo já possua um canal no Youtube, crie um novo canal.

Avaliando as perdas e danos, é necessário conquistar toda a sua audiência de inscritos novamente. Nós vivenciamos isso com eles. Acompanhamos toda a transição e não tem choro, nem vela. Essa é uma sequela, uma moeda para credenciar na VEVO.

Outros artistas, como Simone e Simaria, Matheus e Kauan é possível perceber que passaram por essa transição, já que possuem um canal no Youtube e outro no VEVO. Então, os inscritos precisam ser conquistados novamente. Portanto, é uma baixa, já que o canal é do artista, mas não possui autonomia.

Eu acredito, que essa talvez seja, a principal perda que acontece na transição. O artista não tem mais autonomia para subir vídeos a hora que quiser, nem com os comentários. A moderação de comentários, deixa de existir, por simplesmente fazer parte da plataforma VEVO.

As campanhas podem ter sequência, com anúncios pagos,  como forma de impulsionar e organizar o fluxo, mas isso é chatinho de configurar e o artista precisa ter bastante paciência. Tudo isso é importante de ser compartilhado, porque existe todo um glamour, toda uma expectativa em cima desse acordo por audiência. Os artistas brasileiros, cantores, duplas, bandas, se espelham nos números astronômicos que os artistas VEVO no mundo possuem.

Se você comparar artistas como Rihanna, Taylor Swift, Justin Bieber, Maroon 5, Katy Perry, Shakira, enfim, tem uma infinidade de artistas com números astronômicos. A Adele, por exemplo, em sua composição Hello atingiu 27 milhões de visualizações, só nas primeiras vinte e quatro horas. Já a Taylor Swift, com a música Look what you made me do, alcançou 43 milhões de views nas primeiras 24 horas, então são números gigantescos.

Essa referência de que a música vai atingir tudo isso, faz com que a gente se frustre nesse sentido. É claro, que para o artista que está com as gravadoras, isso é condição, como já foi falado, a política da empresa é a condição do jogo. Então, trata-se de um acordo comercial.

Como divulgar música no Vevo?

Para entrar no VEVO, o pedido é até simples, via agregadora. Basta solicitar a criação do canal, é assinado um termo de acordo com todas as condições. A utilização do selo, a chancela das divulgações, enfim, tudo isso pode ser explorado. Alguns artistas conseguem aquilo que nós chamamos de pacotes de mídia. Um plano com algumas ofertas da VEVO, mas isso também não se aplica a todos. Quando o convite partir da plataforma, com certeza, as condições serão diferentes, porque algo já aconteceu na sua carreira.

Então, espero que as informações que passei sejam úteis e que você possa tomar as suas decisões. Vale destacar uma coisa: a gente fica com uma impressão de que o VEVO fica dentro do Youtube e o Youtube no VEVO. O VEVO tem sua plataforma própria, e o Youtube tem uma licença para poder rodar os conteúdos.

O Youtube tem uma audiência hoje, forte e considerável, principalmente no Brasil e no mundo. Mas, o conteúdo em si é do VEVO, então, quem tem o conteúdo manda. Assim, a audiência é essencial, mas se não tiver conteúdo, a audiência não vai servir pra nada.

Por isso é importante manter suas mídias e conteúdos sempre atualizados e aqui voltamos para o marketing digital dos artistas.

Ainda vale a pena entrar no VEVO?

Bem, o VEVO está com os dias contados, pois a estratégia de tentar competir com o Google não deu muito certo.Infelizmente seu desempenho não foi o aguardado pois a ideia de levar o público da plataforma do Google ao site da Vevo não funcionou. Os fãs de músicas expressaram não se preocupar muito com a qualidade do vídeo,  se a origem é um vídeo oficial ou uma versão divulgada de usuários do Youtube.

Nove anos após do lançamento do VEVO, um novo acordo com o YouTube foi realizado dando acesso total a seus produtos. Embora esteja encerrando apenas o site e o app para celulares, é uma questão de tempo para que seja o fim de todo os serviços. “Afinal, por que gastar dinheiro com uma empresa que não está lhe gerando tanto valor?” declarou  o site Music Industry Blog.

No ano passado a plataforma arrecadou em torno de de US$650 milhões em receita e um total de 300 bilhões de visualizações, o bastante para a VEVO empatar. A maior parte dessa receita veio como resultado do investimento em propaganda do YouTube, o que mais uma vez confirma que um novo acordo de distribuição será mais lucrativo do que competir com o Google, afinal se não se pode contra ele, junte-se a ele.

O fim de Vevo demonstra que mesmo negócios bem-sucedidos e bem-financiados têm dificuldade em enfrentar um monstro tecnológico como o Google.

Então, como eu disse acima para os artistas que tem isso como condição das gravadoras e são obrigados a manter o canal no VEVO, não tem como fugir até que o VEVO morra de vez. Porém, para o artista que não tem essa condição imposta pela gravadora, eu recomendo fortemente voltar a verba de marketing para outras ferramentas mais atualizadas e com melhor resultados.

Se precisar de ajuda com isso ou tiver mais dúvidas sobre o VEVO, agende uma consultoria grátis comigo.

Agendar Consultoria de Marketing Artístico Grátis ➡

Dhiego Bicudo
Dhiego Bicudo

Colunista do Portal Mundo Sertanejo, Dhiego Bicudo é professor, marido e pai de dois filhos. Possui muita experiência em marketing para artistas. Atuante em Goiânia, São Paulo e Londrina. Há mais de 16 anos à frente da Agência ICOMP, onde desenvolve estratégias e lançamentos de cantores, duplas e bandas no Brasil.